Archive for the ‘Poemas’ Category

h1

As mãos

Outubro 1, 2010

As mãos – Um poema em LGP

Anúncios
h1

Amar teus olhos

Setembro 25, 2010

Podia com teus olhos
escrever a palavra mar.
Podia com teus olhos
escrever a palavra amar
não fossem amor já teus olhos.

Podia em teus olhos navegar
conjugar os verbos dar e receber.
Podia com teus olhos
escrever o verbo semear
e ser tua pele
a terra de nascer poema.

Podia com teus olhos escrever
a palavra além ou aqui
ou a palavra luar,
recolher-me em teus olhos de lua
só teus olhos amar.

Podia em teus olhos perder-me
não fossem, amor, teus olhos,
o tempo de achar-me.

De Carlos Melo Santos, em “Lavra de Amor”

h1

Quero apenas cinco coisas – Pablo Neruda

Setembro 19, 2010

Existem poemas importantes na nossa vida. Poemas que ilustram aquilo que sentimos e partilhamos com aqueles que mais amamos. Mais um de Pablo Neruda que me diz muito… que nos diz muito 🙂

“Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser… sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.”
Pablo Neruda

h1

O Desejo Supremo – Pablo Neruda

Setembro 14, 2010

“Viver serenamente, sem nunca se alterar,
Uma vida iluminada pela luz do amor,
E ter para todas as ilusões desfeitas
A pequena tristeza duma pequena dor…

Ter no olhar, serenamente puro,
O poder e o prestígio de alguma elevação
E sentir na alma a elevação da altura
E umas sagradas ânsias de purificação…

E ter para todos os seres e coisas
Uma doce alegria, risonha e generosa,
Perfumada com a funda satisfação de viver…

Então, só então, viver serenamente,
Sem nunca se alterar e suavemente
Na mansa doçura de uma tarde partir… “

Pablo Neruda

h1

Ser professor

Outubro 5, 2008

Porque hoje é o dia mundial do professor… Para todos eles… Eu incluída 🙂

“Ser professor é ser artista,

malabarista,

pintor, escultor, doutor,

musicólogo, psicólogo…

É ser mãe, pai, irmã, avó,

é ser palhaço, estilhaço,

espantalho, bagaço…

É ser ciência e paciência…

É ser informação,

é ser acção.

É ser bússola, é ser farol,

é ser luz, é ser sol.

Incompreendido?… Muito.

Defendido? Nunca.

O seu filho passou?…

Claro, é um génio.

Não passou?

O professor não ensinou.

Ser professor…

É vício ou vocação?

É outra coisa…

É ter nas mãos o mundo de amanhã.

Amanhã

os alunos vão-se…

E, o mestre, de mãos vazias,

fica com o coração partido.

Recebe novas turmas,

novos olhinhos ávidos de cultura.

E ele, o professor

vai desejando

com toda a ternura,

o saber, a orientação

nas cabecinhas novas

que amanhã

luzirão no firmamento da pátria.

Fica a saudade…

A amizade.

O pagamento real?

Só na eternidade.”

Autor Desconhecido

h1

As páginas

Fevereiro 27, 2008

Ultimamente sem tempo. Nunca pensei sentir que cada segundo fizesse tanta falta. Os dias correm e cada dia sinto mais isso. As visitas aqui ao blog tornaram-se mais espaçadas 😦 mas que se há-de fazer!! É por uma boa causa… Para o bem da educação de muitos meninos… hihihihi  

Porque cada segundo que passa é importante e há coisas que nunca nos devemos esquecer… Para aqueles que se esquecem aqui fica o lembrete 😉

“As páginas da vida são cheias de surpresas.
Há capítulos de alegria,
mas também de tristeza,
há mistérios e fantasias,
sofrimento e decepções.
Por isso não rasgues páginas,
nem saltes capítulos,
não te apresses em descobrir os mistérios
e não percas a esperança,
pois muitos são os finais felizes.
Nunca te esqueças do principal:
Deste livro da vida o autor és TU.”
h1

A amizade é assim…

Fevereiro 17, 2008

Encontrei este poema algures perdido numa página da net e não resisti a partilhá-lo neste meu pequeno espaço.  Não é que a amizade deva ser explicada… mas para os mais distraídos…

“A amizade é assim:
É sentir o carinho,
É ouvir o chamado.
É saber o momento
de ficar calado.
A amizade é somar alegrias,
dividir tritezas.
É respeitar o espaço,
silenciar o segredo.
É a certeza de mão estendida.
A cumplicidade que
nao se explica,
Apenas se vive…”