Posts Tagged ‘poema’

h1

Ser professor

Outubro 5, 2008

Porque hoje é o dia mundial do professor… Para todos eles… Eu incluída 🙂

“Ser professor é ser artista,

malabarista,

pintor, escultor, doutor,

musicólogo, psicólogo…

É ser mãe, pai, irmã, avó,

é ser palhaço, estilhaço,

espantalho, bagaço…

É ser ciência e paciência…

É ser informação,

é ser acção.

É ser bússola, é ser farol,

é ser luz, é ser sol.

Incompreendido?… Muito.

Defendido? Nunca.

O seu filho passou?…

Claro, é um génio.

Não passou?

O professor não ensinou.

Ser professor…

É vício ou vocação?

É outra coisa…

É ter nas mãos o mundo de amanhã.

Amanhã

os alunos vão-se…

E, o mestre, de mãos vazias,

fica com o coração partido.

Recebe novas turmas,

novos olhinhos ávidos de cultura.

E ele, o professor

vai desejando

com toda a ternura,

o saber, a orientação

nas cabecinhas novas

que amanhã

luzirão no firmamento da pátria.

Fica a saudade…

A amizade.

O pagamento real?

Só na eternidade.”

Autor Desconhecido

Anúncios
h1

As páginas

Fevereiro 27, 2008

Ultimamente sem tempo. Nunca pensei sentir que cada segundo fizesse tanta falta. Os dias correm e cada dia sinto mais isso. As visitas aqui ao blog tornaram-se mais espaçadas 😦 mas que se há-de fazer!! É por uma boa causa… Para o bem da educação de muitos meninos… hihihihi  

Porque cada segundo que passa é importante e há coisas que nunca nos devemos esquecer… Para aqueles que se esquecem aqui fica o lembrete 😉

“As páginas da vida são cheias de surpresas.
Há capítulos de alegria,
mas também de tristeza,
há mistérios e fantasias,
sofrimento e decepções.
Por isso não rasgues páginas,
nem saltes capítulos,
não te apresses em descobrir os mistérios
e não percas a esperança,
pois muitos são os finais felizes.
Nunca te esqueças do principal:
Deste livro da vida o autor és TU.”
h1

A Matemática segundo Jobim

Janeiro 4, 2008

A Matemática está por estes lados todos os dias… E desde pequena que eu dizia que um dia havia de ser professora… Pois bem… Ao preencher os papéis para a entrada na universidade deu-me a “loucura”, da qual não me arrependo nem um segundo, e lá coloquei a minha primeira opção: Matemática (Ensino), Universidade do Minho. Cinco anitos depois, aqui estou eu… de curso acabado… E nunca estive tão certa de que é isto que eu quero para o meu futuro, com todas as coisas más que eu sei que estão associadas à profissão. Mas qual a profissão perfeita?? Simplesmente não existe… looool

E porque a Matemática não é aquele bicho papão e até nas coisas mais bonitas a encontramos… aqui fica a prova disso 😉

“Pra quê dividir sem raciocinar
Na vida é sempre bom multiplicar
E por A mais B eu quero demonstrar
Que gosto imensamente de você
Por uma fracção infinitesimal
Você criou um caso de cálculo integral
E para resolver este problema
Eu tenho um teorema banal
Quando dois meios se encontram desaparece a fracção
E se acharmos a unidade
Está resolvida a questão
Pra finalizar, vamos recordar
Que menos por menos dá mais amor
Se vão as paralelas
Ao infinito se encontrar
Por que demoram tanto os corações a se integrar?
Se infinitamente, incomensuravelmente,
Eu estou perdidamente apaixonado por você.”
António Carlos Jobim/ Marini Pinto (1958)